«há música, poesia, força e sentimento na tua prosa»



O meu Jaguar quer conhecê-la e o meu Maurice Lacroix diz que está na hora

Enfastiam-me os homens que tentam as suas conquistas através do seu - suposto - activo financeiro. Nas suas conversas, os possessivos são marca registada, os objectos ganham vida, humanizados com nome próprio, como nos livros da Margarida, e os verbos são codificadores semânticos de posse. Nada mais vejo do que um cabresto, quando algo parecido se me atravessa na vida.