«há música, poesia, força e sentimento na tua prosa»



iii

Não soube logo que estava morta. Depois do embate fatal, ainda se levantou e caminhou por vários anos. Ainda tentou manter-se junto da multidão estridente, ajudar a mãe a respirar, fazer alguém feliz e constituir uma família. Falha após falha, repetiu alguns processos, insistiu nas realizações, forçou o que não podia acontecer. Fracassou, perdeu-se, magoou-se, manteve-se em negação. Não sabe quando, nem como aconteceu, se foi sonho, se foi deus ou o diabo, se coisa nenhuma, apenas sabe que um dia percebeu, nunca seria igual aos outros porque já estava morta. Morrera naquela tarde, juntamente com ele. No dia seguinte choveu.