«há música, poesia, força e sentimento na tua prosa»



    –  (...) Às vezes dá-me pena que sejas meu filho! Hás-de ser infeliz toda a vida! Vai. Vai lá, antes que o Pai apareça por aí.
    Rua, menino perdido, as horas em que a vida por um nada dá voltas e fico de fora, invejoso das luzes, ciumento da paz que só os outros têm, sem mais consolo que ir andando ao deus-dará, lágrimas que ninguém vê.
    Sentado na berma. De longe a longe passa um carro, os camiões roncam a atacar a subida, o chão vibra. O desejo de ir. Se ao menos um parasse! Sempre o sonho.

Montedor, José Rentes de Carvalho