«há música, poesia, força e sentimento na tua prosa»



Ann de Oxford Street

“no labirinto de Londres, teremos estado a poucos passos um do outro, mas numa rua de Londres,
essa pequena distância pode transformar-se em separação eterna” 

[Thomas De Quincey, Confissões de um Opiómano Inglês, Editora Alfabeto, 2011, pág. 76/77]