«há música, poesia, força e sentimento na tua prosa»



Um Embuste Perfeito

Se há algo para admirar na vida, os acasos são do que mais me fascina. A eterna dúvida, livre-arbítrio ou determinismo? No caso concreto, pouco me importa, o que sei é que ontem, a caminho de casa, num local improvável, o livro esperava por mim. Sozinho, talvez perdido, vagamente manuseado e com o peso e formato ideais para trazer na bolsa. Por que razão o encontrei eu, não faço ideia, estar-me-ia destinado, não sei. Nem sequer conhecia o autor. Uma coisa vos garanto, agora mora comigo e já começámos as nossas bodas.
Assim começa:

Mario Samigli era um literato com quase sessenta anos. O romance que publicara havia quarenta anos poder-se-ia considerar morto se neste mundo soubessem igualmente morrer as coisas nunca chegaram a estar vivas.


[Italo Svevo, Um Embuste Perfeito, Quasi, 2008, tradução de Vasco Gato]